Palestra – Estúdio Brasil – 2010 – English & Portuguese

[en]Lecture originally presented at the Estúdio Brasil 2010 photo conference, São Paulo.

The word “still”, as it is used in Photography, comes from a reduction of “still life”.  To most, shooting stills is a very tedious practice with little appeal. But if you’re interested in learning several lighting techniques, from basic to sophisticated, the best option is to start shooting products. From a little diamond ring to huge settings, light is key. Only then comes the aesthetical sensibility and the photographer’s style. Of all fields within Photography, the most diverse and productive is Still Photography. New products are released daily; new cosmetics, new recipes, new drinks, new food, juices, water, clothes etc. The dynamics of the market forces clients to renew their products visuals and packages in order to stand out. There will always be a lot of work.

Other Advantages

For those starting a career, shooting stills has yet greater advantages. There’s no pressure from a large production crew, but ease and tranquility. The photographer has full control and time to study, prepare and compose his subjects and his light — one doesn’t take a picture; one makes a picture.

The Still Studio

Differently from a fashion studio, where the photographer has in principle only light and camera devices, the still photographer, given the great variety of situations he faces each day, relies on many tools and gadgets. I usually say that there are at least one thousand ways of setting up a studio. Each photographer has his peculiarities and idiosyncrasies. I would even go far as betting that there are no identical studios in this business.

Light

A people specialist, in his studio, will prefer to use flash light, which freezes the natural movement. A still photographer, though, may and should use tungsten light i.e. continuous light, in order to have more control of the lighting nuances over his subjects. When one uses a flash light one can’t know in advance how the picture is going to look like, since one sees it with one light (a modeling light) and shoots with another (the flash light itself). The greatest advantage in using tungsten is that what you see is what you get.

Gadgets

What I’ll show today are cheap and straightforward solutions for the ones who can’t invest much and have a practical spirit. Some gadgets ideas I took from others and some I developed myself in my adventures through the world of Photography.

1. Apple-box, pancake-box and half-pancake-box – These have a lot of use in the studio. To me, they’re essential, and they can be piled up in several different configurations etc.

2. Pot Stands – also called… poor photographer’s tripods. They’re very practical and functional, taking less than the space a mounted tripod would take and are also very stable. They’re built from 2×2’s, a gallon can and concrete. In order to build one, before sticking the batten in the can, one should use nails to prevent its sliding after it stiffens — refer to the image below. One very important hint is that before using the can, its bottom should be hammered in, so it won’t bulge once the concrete hardens on its own weight.

Below, in (1) we see pot-stands. In (2), a pot-stand with what I call a “corner” attached to it with a clamp. This contraption allows for a great variety of settings and, as the pot-stand is heavy, stability is guaranteed. Finally, in (3), pot-stands used to support the subject and reflectors posistioning — one white, one silver.

3. Fixed corners – these gadgets in (1) work as pot-stands arms, so to speak. By joining the two with the help of a clamp we have a tool of great value to the studio. It’s versatile, safe, takes very little space and is very cheap, only limited in its function by the photographer’s creativity.

4. Minibooms – 1. (a) metal base, (b) flat iron rod, (c) pivot with wooden peg, (d) wood extension. 2. Set up boom. 3. Boom with a white bounce card facing upwards. 4. Boom with a silver card turned downwards. 5. Boom with varied extensions. 6. Pivot detail.

Bottle Pre-Production

In the lecture, we prepared two bottles. Below, you will find a step-by-step guide on how to perform the pre-production of a bottle for a still shot.

1. The paper labels are never properly or symmetrically bonded in bottles. For their removal, let the bottle soaked in water for a couple of hours; that’s what makes the label come off the bottle. Thus, the glue dissolves and the paper comes off without much effort.

2. In the case of plastic labels, it’s unnecessary to soak the bottle. For each type of adhesive glue there’s a corresponding chemical solvent proper to its removal. In this case, we used bestine. To remove the expiration date printed directly on the bottle, we used alcohol.

3. It is advisable to remove the label carefully to avoid any residual adhesive or paper in the bottle. The label may now be disposed of, since the client usually provides new labels with photographic quality, in order to streamline the postproduction.

4. The bottle is put aside while we prepare a spray booth, which can be of any sort, so as not to let the content of the spray spread all across the studio. It is recommended that the application of any spray be made outdoors with the aid of a mask, due to the chemical toxicity involved. Once the spray booth has been built, which can be reused many times, we apply adhesive permanent spray on the loose label sent by the client — in the illustration, right in the center of the cabin.

5. Next, we glue the label on the bottle. The adhesive should be permanent fixing to guarantee the label’s fixation, so do it with caution and precision.

6. Again, we leave the bottle aside while making a protective mask, so that one side of the bottle to receives a layer of spray while the other is left intact. We cut a piece of paper as the height of the bottle and half of its approximate circumference, so that the mask can wrap it.

7. Each side of the cut paper is taped with masking tape so it can be affixed to the bottle.

8. First, cover the front of the bottle so as to completely hide the front and leave the back exposed.

9. Glaze the back of the bottle with matte varnish. After completely covering the back with a layer of varnish, we leave the bottle aside to dry. Only after that will the cylinder receive another layer. Repeat this operation around four times to obtain the desired effect.

10. Now we cover the back of the bottle with the mask, while the front is left exposed, ready to receive some layers of varnish.

11. Now we repeat the 8th step — only with glossy varnish.

12. Finally, for the drops, we use a solution of water and glycerin. The ratio may vary according to the result you want. In our example, we use 1/1. Use the type of sprinkler you prefer to control the outcome. But make no mistake: This step is very subjective and subject to many interpretations. In advertising there are beverage stylists for this type of production, which can result in hours of work. Applying the drops so that the bottle looks refreshing is the biggest challenge of pre-production. It’s advisable to prepare several bottles before starting the freshness production, because the solution of glycerine will spot the varnished surface if you try to remove it in order to try again.

13. Surface tension — It is the property of the surface of a liquid that enables it to withstand external forces. In our case, it regards the behavior of droplets on the surface of our products. This is the main reason for the brilliant varnish in the face of the bottle: it makes up for a “loose” aspect in the droplets. Remember for instance that when waxing a car, the rain water that falls runs more smoothly and the drops are easily released. It’s the same effect that natureprovides us with the dewdrops on the leaves of plants.

Transparency and Reflectance

These factors depend exclusively on the lighting technique, as will be shown by the following examples.

1. Top light: here light acts only upon the top of the subject and outlines the high-relief shape.

2. Top light with white reflector: with this we begin to reveal the characteristics of the product. This setting shows the subject’s shape, which is a glass bottle.

3. Top light with two white reflectors: other details are revealed, but in a symmetrical fashion. This setting may be less interesting, aesthetically speaking — even though this much is open to interpretation.

4. Top light with silver reflector: like in example (1), only with a silver reflex, as the contrast is more pronounced. The thick green glass wall of the bottle is even more noticeable in the opposite side.

5. Top light with two silver reflectors: just like in example (3), there’s less aesthetical interest due to the perfect symmetry.

6. Top light with silver reflector posistioned behind the product: a reflector is cut in the shape of the bottle so it can be hidden in a blind spot. Notice that there are only a light source and a reflector. In this case, the incidence angle of the light on the reflector must match the angle of reflection of the lens.

7. Final shoot. With a subtle freshness effect, we reach our goal: appetite appeal.

8. White background. In this shoot we used the same lighting of (1), albeit in a white background.

9. Diagonal light: a very versatile technique; more features of the product are brought to attention by a simple change in light direction.

10. Diagonal light with a white reflector: more features revealed and, on account of the light direction, the undesired symmetry isn’t any longer present.

11. Diagonal light with silver reflector: like in (10), only with intensified contrast.

12. This diagram shows what is basic about these pictures with lateral light: 1. black background; 2. light diffuser (of which a soft-box is just one example); 3. light source; 4. subject.

13. Now this one shows the basic scheme of a white background shoot: 1. white background; 2. light sources; 3. white reflectors; 4. light diffuser; 5. subject. Observe that light in the diagram is represented laterally/diagonally, but it could  be used as a top or strip light also — the technique for the background does not vary.

14. Strip light: even with a large diffuser it’s possible to reach the so-called strip light effect. It suffices to cover a part of the diffuser with a gobo.

15. Contour light: this one is used only to outline the bottles silhouette, a very useful light to highlight the subject’s shape in a subtle way. The diagram below illustrates this configuration.

16. In this diagram: 1. black background; 2. white reflectors; 3. tungsten light sources; 4. our subject — in our case, a bottle; 5. the gobos (contraction of “go between”), which work as light blockers. Notice that the gobos, besides hiding reflectors and light sources, stop the reflected light to hit the lens in excess, thus avoiding undesired flair.

Conclusion

I would like to point out again that lighting is key to a good picture. Today, in the digital era, with automatic cameras and streamlined post-production, the photographer as a technician is not as much needed as before. As shown above, what we have left is the most noble part of photography: that which can’t be automatized, that is, we have to run after new solutions, applying subtle combinations of different techniques that in the end will make a difference. If we give a certain briefing to fifty photographers, we’ll have fifty different pictures. So, in order to be successful, challenges must be taken as puzzles, thus making work enjoyable — even when it’s still photography!

Success to all!
ABRAFOTO – Brazilian Association of Advertising Photographers

25 years of ethics, professionalism, legal advice, equipment insurance etc. — www.abrafoto.org / abrafoto@abrafoto.org

[/en]

[pt]Palestra originalmente apresentada no Estúdio Brasil 2010, São Paulo.

A palavra “still” vem do inglês. Em uma de suas acepções, quer dizer parado, calmo, sem movimento etc. Trata-se de uma redução de “still life”, do inglês, “vida sem movimento”. Em português, o equivalente idiomático é “natureza morta”, mas em fotografia o termo não pegou comercialmente. Daí a razão pela qual nos valemos da expressão em inglês.

Para a maioria das pessoas, fotografar stills é uma prática muito tediosa e pouco interessante. No entanto, se você se interessa em aprender as várias técnicas de iluminação, tanto básicas como sofisticadas, a melhor opção é começar com produtos. Desde um pequeno anel de diamantes até grandes cenários, a luz é a chave. Depois vem a sensibilidade estética e o estilo do fotógrafo. De todas as especialidades da fotografia, a mais diversificada e produtiva é o still. Novos produtos são lançados diariamente, novos cosméticos, novas receitas, novas bebidas, novos alimentos, sucos, águas, roupas etc. A dinâmica do mercado moderno obriga os clientes a renovarem o visual de seus produtos e embalagens, para se destacarem da concorrência. Sempre haverá muito trabalho.

Outras vantagens

Para quem está começando uma carreira, fotografar stills tem vantagens ainda maiores. Não há aquela pressão e comoção causada por uma equipe de produção, mas, sim, calma e tranquilidade. O fotógrafo tem total controle e tempo para estudar, preparar e compor seus objetos e suas luzes. Enfim, ele não tira as fotos; ele constrói as fotos.

O estúdio de still

Diferentemente de um estúdio de moda, onde o fotógrafo depende em princípio só de luzes e câmera, o fotógrafo de still, dada a grande variedade de situações que enfrenta a cada dia, depende de muitas ferramentas e apetrechos. Costumo dizer que há pelo menos mil maneiras de montar um estúdio. Cada fotógrafo tem suas peculiaridades e idiossincrasias. Eu apostaria que não existem dois estúdios idênticos.

Luzes

Um fotógrafo de gente, em um estúdio, vai certamente preferir luzes de flashes para congelar os movimentos. Um fotógrafo de still – “sem movimento” – pode e deve usar luzes de tungstênio ou luzes quentes i.e. luz continua, para ter mais controle das nuances da iluminação de seus produtos. No momento em que se usa a luz do flash não sabemos como vai ficar a foto, já que vemos através da luz “modelo” e fotografamos com a luz do flash. A maior vantagem da luz contínua é que o que se vê é o mesmo que aparece na foto. Muito mais simples e muito mais prático.

Traquitanas

O que vou mostrar hoje são soluções baratas e práticas para quem não quer investir muito e tem o espírito prático. São algumas traquitanas que me apossei e outras que desenvolvi em minhas aventuras pelo mundo da fotografia.

1. 3 tabelas – Têm inúmeras utilidades no estúdio. Praticamente são indispensáveis. Normalmente cada fotógrafo faz um grupo delas do mesmo tamanho para serem empilhadas ou dispostas simetricamente, etc. Uma curiosidade: originalmente e até hoje os americanos as chamam de apple-box, pancake-box e half-pancake-box, conforme ilustrações.

2. Pot Stands – também chamados… de tripés de fotógrafo pobre. São muito práticos e funcionais. Não ocupam os espaços dos “três-pés” e são muito estáveis. São construídos simplesmente com um sarrafo de madeira, uma lata de um galão e cimento. Modo de construir: antes de cimentar o sarrafo à lata, utilize vários pregos que impedirão que o mesmo se desprenda do cimento depois de seco, conforme a imagem abaixo. Uma dica importante é de que, antes de utilizar a lata, seu fundo seja martelado para dentro, de modo a não ficar convexo, abaolado para o lado de fora depois.

Abaixo, em (1) vemos os pot stands depois de prontos. Em (2), um pot stand com a cantoneira presa a ele por uma garra. Isso permite uma grande variedade de posicionamentos e, como o pot stand é pesado, a estabilidade é garantida. Enfim, em (3), temos os pot stands usados para apoio do objeto e posicionamento de dois refletores, um branco e um prateado.

3. Cantoneiras fixas – essas traquitanas que eu chamo de “cantoneiras” (1) servem como articulações dos pot stands. Unindo-se um pot stand e uma cantoneira por meio de uma garra, tem-se  um instrumento de grande valor para o estúdio (2); versátil, seguro, que ocupa pouco espaço e muito barato, limitado dentro de suas funções quase que somente pela criatividade do fotógrafo.

4. Minibooms – 1. (a) base de metal, (b) haste de ferro batido, (c) pivô macho com cavilha de madeira, (d) extensão de madeira. 2. Boom montado. 3. Boom com refletor branco girando para cima. 4. Boom com refletor prateado girando para baixo. 5. Boom com extensões variadas. 6. Detalhe de pivô.

Pré-produção de garrafas

Na palestra, preparamos duas garrafas. Abaixo, segue um guia passo-a-passo de como fazer a pré-produção de uma garrafa para a foto.

1. Os rótulos de papel nunca estão corretamente ou simetricamente colados nas garrafas. Para sua remoção, deixa-se a garrafa de molho em temperatura ambiente por 24 horas; é o que faz o rótulo se desprender do vasilhame. Assim, a cola dissolve e  o papel se desprende sem muito esforço.

2. Para o caso de rótulos plásticos, não é necessário deixar o vasilhame de molho. Cada tipo de cola adesiva tem um químico correspondente para sua remoção. Neste caso, utilizamos benzina. Para apagar a data de validade impressa diretamente na garrafa, utilizamos álcool etílico.

3. É aconselhável remover o rótulo com cuidado para que não restem vestígios de cola ou papel na garrafa. Este rótulo pode ser descartado, já que normalmente o cliente fornece rótulos novos e com qualidade fotográfica, de modo a agilizar a pós-produção.

4. Reservada a garrafa, é hora de preparar um “spray booth”, que pode ser qualquer cabine, de modo a não deixar que o conteúdo do spray se espalhe pelo estúdio. Recomenda-se mesmo a aplicação de qualquer spray ao ar livre e o uso de máscara, devido à toxicidade química envolvida. Após construída a cabine de spray, que pode ser reutilizada muitas vezes, aplica-se spray adesivo permanente sobre o rótulo avulso enviado pelo cliente — na ilustração, no centro da cabine.

5. Em seguida, cola-se o rótulo na garrafa. O adesivo deve ser do tipo permanente para garantir a fixação do rótulo, portanto é preciso fazer a colagem com precisão.

6. Reserva-se a garrafa novamente para a fabricação de uma máscara de proteção, para que uma face da garrafa receba a camada de spray enquanto a outra fica intacta. Corta-se um pedaço de papel na medida da altura da garrafa e em metade de seu perímetro aproximado, para que a máscara possa envolvê-la.

7. Cada lado do recorte de papel é guarnecido com fita crepe para que possa ser afixado à garrafa.

8. Primeiramente, cobre-se a frente da garrafa, de forma a ocultar essa face completamente e deixar o fundo exposto.

9. O verniz que se aplica ao fundo da garrafa nesta etapa chama-se verniz fixador fosco. Após cobrir totalmente o fundo com uma camada de verniz, reserva-se a garrafa para que seque. Só então, depois de seca, a garrafa recebe mais uma camada. Repete-se essa operação em torno de quatro vezes para se obter o efeito desejado.

10. Então, troca-se a máscara de face. Agora ela oculta o fundo, enquanto a frente fica exposta, pronta para receber algumas camadas de verniz.

11. Aplica-se verniz fixador brilhante na frente da garrafa, repetindo a estrutura básica da oitava etapa.

12. Finalmente, para as gotas, usa-se uma solução de água e glicerina. A proporção pode variar de acordo com o resultado que se deseje. Em nosso exemplo, usamos 1/1. Use o tipo de borrifador de sua preferência para controlar o resultado. Porém, não se iludam: Esta etapa é muito subjetiva e sujeita a muitas interpretações. Em publicidade há profissionais especializados neste tipo de produção, que pode resultar em horas de tentativas. Aplicam-se as gotinhas de maneira que a garrafa pareça refrescante é o maior desafio da pré-produção. É recomendável preparar várias garrafas antes de começar o tratamento de refrescância, pois a solução de glicerina mancha a superfície envernizada.

13. Tensão superficial – É a propriedade da superfície de um líquido que permite que ele resista uma força externa”. Em nosso caso, refere-se ao comportamentos das gotas sobre a superfície de nossos produtos. Esta é a razão principal do verniz brilhante na face da garrafa; ele permite que as gotas fiquem “soltas”. Observe-se que, quando se encera um carro, a água que cai da chuva corre com mais fluidez e as gotas ficam soltas. É o mesmo efeito que a natureza nos oferece com as gotas de orvalho sobre a superfície das folhas das plantas.

Transparência e refletância

Estes fatores dependem exclusivamente da técnica de iluminacão como os exemplos a seguir.

1. Top light: aqui a luz só atua sobre o topo do produto e delineia os contornos do alto-relevo.

2. Top light com rebatedor branco: começamos a revelar as características do produto. Esta configuração mostra a forma do sujeito, que é uma garrafa de vidro.

3. Top light com dois rebatedores brancos: revelam-se outros detalhes do produto, mas de maneira simétrica. Esta configuração pode ser menos interessante esteticamente — embora isso seja em grande parte questão de interpretação.

4. Top light com rebatedor prateado: como no exemplo (2), mas com um reflexo prateado o contraste é mais acentuado. Nota-se ainda mais a parede verde da espessura da garrafa do lado oposto.

5. Top light com dois rebatedores prateados: assim como no exemplo (3), há menos interesse estético, devido à simetria.

6. Top light com rebatedor prateado posicionado estrategicamente atrás do produto: recorta-se um rebatedor no formato da garrafa de modo que ele possa ser ocultado no ponto-cego. Observe que nesta configuração há somente uma luz e um rebatedor. Neste caso o ângulo de incidência da luz sobre o rebatedor deve coincidir com o ângulo de reflexão na objetiva.

7. Foto final. Com um sutil efeito de refrescância, alcançamos o que em publicidade chamamos de appetite appeal, ou seja, um estímulo à atração do cliente pelo produto.

8. Fundo branco. Nesta foto foi usada a mesma iluminação de (1), porém com um fundo branco.

9. Luz diagonal: é uma técnica muito versátil; mais características do produto são reveladas simplesmente pela direção de luz.

10. Luz diagonal com rebatedor branco: mais características são reveladas e, pela direção de luz, não se obtém um aspecto de simetria.

11. Luz diagonal com rebatedor prateado: como na anterior, mais características do produto são reveladas, mas o contraste é intensificado.

12. Este diagrama exibe o básico dessas fotos com luz lateral: 1. fundo preto; 2. difusor; 3. tocha; 4. sujeito.

13. Já este exibe o esquema básico de uma foto com fundo branco: 1. fundo branco; 2. tochas; 3. rebatedores brancos; 4. difusor branco; 5. sujeito. Note-se que a luz no diagrama é lateral/diagonal, mas poderia ser uma top light ou uma strip light — a técnica para os fundos não variaria.

14. Strip light: mesmo com um difusor largo é possível alcançar o resultado chamado de strip light. Basta cobrir parte do difusor com um gobo.

15. Luz de contorno: usada apenas para delinear a silhueta da garrafa, é uma luz bastante útil para sutilmente ressaltar apenas o formato do produto. O diagrama abaixo ilustra essa configuração.

16. Temos neste diagrama: 1. fundo preto; 2. rebatedores brancos; 3. as tochas de tungstênio; 4. nosso sujeito — no caso, uma garrafa; 5. os gobos (contração do inglês “go between”), anteparos que se colocam entre a luz e o sujeito ou entre a luz e a câmera, para bloquear a fonte. Observe-se que os gobos, além de ocultarem os rebatedores e as tochas, impedem que a luz rebatida “em excesso” atinja a lente causando flair indesejado.

Conclusão

Concluindo, queria ressaltar que a iluminação é a chave de uma boa foto. Hoje, na era digital, as câmeras estão cada vez mais automáticas e o fotógrafo como técnico já praticamente não existe. Como demonstrado acima, resta-nos explorar aquilo que não se automatiza, ou seja, temos que correr atrás de soluções inovadoras, aplicando combinações sutis de diferentes técnicas que no final vão fazer a diferença. Se propusermos uma determinada foto para cinquenta fotógrafos, teremos cinquenta fotos diferentes. Portanto, para ser bem sucedido, é necessário curtir os desafios e divertir-se fotografando até mesmo os stills.

Sucesso a todos!




P.S. Uma recomendação aos nossos futuros profissionais. Assim que se sentirem seguros e experientes filiem-se a ABRAFOTO – Associação Brasileira de Fotógrafos de Publicidade.

25 anos de ética, profissionalismo, assessoria jurídica, seguro de equipamentos etc. — www.abrafoto.org / abrafoto@abrafoto.org

[/pt]

17 Responses to “Palestra – Estúdio Brasil – 2010 – English & Portuguese”

  1. muito bom, o jogo de luzes, e os experimentos, deu realmente vontade de comprar essa cocacola haha
    (y) parabens

  2. Isa Silvano disse:

    Bom, sempre fui uma fã sua, agora vendo seus posts me apaixonei de vez! Obrigada por você partilhar tanta informação preciosa! Isso é barbaro!
    Beijao e sucesso!

  3. Tony, meu amigo.
    Parabéns por doar parte da sua experiência – conquistada por tantos anos de experimentações e suor.
    A didática está clara e incrivelmente motivadora.
    Uma aula de mestre.

    Abraços

    Julio

  4. Juliano Sommerhauser disse:

    Olá Tony! Gostaria de dizer que esse post do still é incrível!. Agradeço por passar seu conhecimento.

    Abraço.

  5. Lorena disse:

    Parabéns!!!
    Você é “O CARA”…
    Palestra perfeita….
    MESTRE DO STILL!!!!

  6. Maria Rita disse:

    Tony,

    ainda sou estudante de fotografia, mas já tenho um paixão por still… sua palestra (fantástica) só fez crescer esta paixão !!!! Obrigada por sua palestra e tbm por sua simpatia !!!!!!

    Em caso e workshop, gostaria de ser avisada.

  7. Sabrina Meira disse:

    Caramba Tony vc eh muito fera e ainda gente boa pra caramba, ja sou sua fa de carteirinha, olha isso que lindo vc colocou tudo explicadinho aqui, lindo lindo mto obrigada. Um forte abraco.

  8. Tony Generico disse:

    Obrigado, meus caros. Fiquei muito feliz com o resultado. Contem comigo. Uma nota importante: como palestrantes, não estamos acostumados a sermos tratados com tanto profissionalismo e respeito como se observou também nos bastidores. Parabéns ao Estúdio Brasil pela organização impecável.

    @Suzy aguarde novidades, mais workshops estão nos nossos planos; as informações estarão brevemente no blog.

  9. Foi uma das melhores palestras do congresso tanto pelo conteúdo quanto pela vontade de continuar ouvindo as histórias e aprendendo os macetes do still com essa fera. Obrigado Tony pela paciência e por tranasmitir o que a experiência ensinou. Com certeza vou explorar o still depois dessa palestra

  10. Toni!!!
    Amei a palestra do studio Brasil 2010!
    Adorei conversar com vc no intervalo e receber um abração sincero!
    Sou estudante de fotografia e penei pra fazer transparência e metal, mas depois da sua palestra vi q é fácil, descomplicado e gostoso! (Já comprei uma tela pra fazer de hazy).
    Não desprezando minha escola, mas falo divertidamente para os amigos: aprendi muito mais com vc nesta palestra q em meses de panamericana! rs
    Olha, se precisar de uma assistente eu vou na hora e de graça! (e é sério!)
    bjo enorme e q Deus te mantenha iluminado!

  11. Rodrigo F disse:

    Olá Tony!

    A palestra foi a melhor com certeza. O melhor foi poder bater um papo contigo pessoalmente no último dia e poder tirar minhas dúvidas sobre o uso dos backs nas 4×5. Muito obrigado!

    Parabéns Tony! Você além de muito talentoso é muito humilde, o que é uma excessão num meio de tanta gente sem talento e arrogante que vemos por aí.

    Abraços!

    Rodrigo

  12. simone thiesen disse:

    Parabéns Tony … a melhor palestra do Estúdio Brasil. O blog é fantástico. Simone

  13. Querido Tony!

    Amei a tua palestra no Estúdio Brasil 2010 !!! (só por ela, já valeria a minha vinda do RS para o congresso! )
    É muito bom ver que a criatividade e sensibilidade, ainda continuam sendo as principais responsáveis pelas belas imagens que produzes!!
    Gostaria muito de fazer um curso com vc !!!

    Muito obrigada pela oportunidade!!!

    Abraço!

    Suzy Alam
    http://www.suzyalam.com.br

  14. Excelente Palestra… Tony, você consegiu passar com o pouco tempo destinado o quanto a criatividade e a técnica juntas podem facilitar a vida de muita gente sem tanto investimento. Não fotografo STILL ainda… mas vou tentar pela FASCINAÇÃO que você conseguiu passar sua palestra! Parabéns!!! Paula Taleb

  15. Mestre Tony

    tive o prazer de assistir a sua palestra no Estúdio Brasil 2010, e durante todo o tempo rezei e torci para que o relógio andasse mais lentamente.

    Foi bastante enriquecedora e prazeroza sua palestra. Ve-lo ao vivo em ação com suas traquitanas, sua inventividade, os resultados que você obtem e toda a sua simplicidade fizeram dessa tarde uma aula profissional e de vida.

    Muito grato pela sua participação, e obrigado pelo novo blog, com os devidos créditos da insistência do seu assistende David para que o fizesse.

    Que o Semhor nosso Deus continue fazendo de você um ser ILUMINADO.

    Jackson Carvalho
    jacksoncarvalho.com

  16. Luciano Garrido disse:

    Tony,
    Acabei de assistir sua apresentação no Estúdio Brasil. Vibrei com suas fotos e mais ainda com a prática, notadamente a da Coca-Cola. Parabéns e obrigado pelas dicas e pelo blog. Valeu!!
    Luciano.

  17. Prezado Tony, assistir este post ao vivo não tem preço. Adorei sua palestra hoje no Estúdio Brasil. Demais. Parabéns e obrigada por compartilhar seus conhecimentos e experiências conosco.

    abraços

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.